POR UM TOQUE DE OURO: MINHAS PERCEPÇÕES

 bisexta-por-um-toque-de-ouro-6

Hoje vim falar sobre um livro da literatura fantástica cuja a autora é uma brasileira, a Carolina Munhóz. Quem quiser acompanhar a Carol no instagram clique aqui. O livro foi lançado em março desse ano, e o segundo livro da série está sendo aguardado para o próximo ano, provavelmente no início. Meu objetivo aqui não é fazer uma resenha do livro, até porque muitos blogs já fizeram assim que o livro foi lançado. Quero apenas falar das minhas percepções sobre o livro, como o título do post já sugere.

Sou completamente apaixonada pelas produções fantásticas, sejam elas filmes, livros, animes… Enfim… É muito comum eu enlouquecer de amor por qualquer livro do gênero que caia em minhas mãos. Mas, Por um toque de ouro teve algo a mais. Listei abaixo alguns tópicos que melhor explicam meu encanto.

O cenário se passa na Irlanda

bisexta-por-um-toque-de-ouro

Adoro ler livros que falam sobre lugares que nunca fui, toda a descrição dos cenários despertam minha imaginação e me transportam para lá. Além da Irlanda ser linda, cheia de paisagens e construções deslumbrante, Munhóz foi fundo em suas pesquisas sobre os mitos da região e nos presenteou com esse ótimo livro <3.

A ênfase da história são os Leprechauns  ‘duendes de verde’

bisexta-por-um-toque-de-ouro

Nada de bruxos, dragões, vampiros, fadas e tal. Agora a vez é dos Leprechauns, os homenzinhos vestidos de verde que guardam potes de ouro escondidos, ao menos são essas as características do Leprehaun, mas a Carol traz algo mais (leiam o livro e descubram hahaha). Para mim, isso trouxe um elemento novo para as histórias fantásticas, foi inovador.

A leitura é leve e instigante

Fiquei satisfeita e encantada com o estilo de escrita do livro. Quem costuma ler muito com certeza vai entender o que vou falar. Cada autor tem uma característica na forma que escreve e isso é visível para os leitores que o acompanha. As discrições das cenas, dos personagem, os próprios diálogos, tudo muda de autor para autor. Não importa se a história ou gênero dos livros mudem, há sempre algum traço do autor que o leitor fiel reconhece.

Falei tudo isso para chegar a escrita de Por um toque de ouro. Munhóz misturou elementos atuais encontradas na vida dos jovens da alta sociedade com a mística dos leprechauns de forma leve. É um livro de fácil entendimento até para aqueles que não têm experiência nesse tipo de leitura. Os acontecimentos vão deixando o leitor instigado e o faz ‘devorar’ o livro (eu quase o devorei). Senti-me envolvida com a vida dos personagens, principalmente a de Emily, a personagem principal rica e mimada, o que é uma fato até interessante, já que costumo me apegar aos personagens que possuem alguma característica minha, o que não é o caso de Emily O’ Connell.

O final faz você querer mais livros (não tem spoilers) 

Eu sou do tipo de pessoa que ao terminar um livro passa alguns dias pensando e desenrolando as ideias sobre o final dele. Ao terminar Por um toque de ouro fiquei sedenta pela sua continuação. A forma como os fatos se desenrolaram deixa claro as aventuras que o novo livro traz. Muito ansiosa, apenas! Talvez para algumas pessoas essa ansiedade seja até um problema, mas para mim é uma forma de mim manter ligada a história e feliz por saber que ela continuará.

A autora é brasileira

bisexta-por-um-toque-de-ouro

Estamos a todo o momento ouvindo sobre os problemas do nosso país, são tantas coisas que precisam ser mudadas e melhoradas. Por isso fico muito feliz quando conheço algo da nossa terrinha verde e amarela que deu certo. Carol é ao meu ver um nome da literatura brasileira que já produziu e vai continuar produzindo muita coisa legal, para a alegria de seus admiradores. Como brasileira, mulher e fã de fantasia me orgulho muito dela e desejo que a nossa fada (como costuma ser chamada por seus leitores) continue nos enchendo de orgulho em seus novos projetos.

Gostaram dos tópicos que trouxe? Quem aí já leu o livro? O que acharam?

Deixem seus comentários, vou gostar de ler e responder todos!

Até! Beijos :-*

HARRY POTTER: QUANDO O AMOR NASCEU

HARRY POTTER QUANDO O AMOR NASCEU4

Resolvi escrever esse post ontem, quando encontrei algo muito especial que guardo há vários anos, um objeto o qual atribuo como marco na minha vida antes de Harry Potter e após Harry Potter. Duas folhas de recorte da Revista Veja datadas de 12 de abril de 2000.

HARRY POTTER QUANDO O AMOR NASCEU3

Mas, apenas quatro anos após ser publicada essa revista caiu em minha mãos, em meio a tantas outras revistas velhas trazidas por meu irmão para casa. Por coincidência ou destino, minhas mãos abriram nas páginas 150 e 151, e ali estava lindamente estampada a ilustração do bruxinho mais querido do mundo montado em sua vassoura a perseguir o pomo de ouro, sob o título “A magia de atrair leitores – O fenômeno  editorial, a série de romances do menino-bruxo Harry Potter chega ao Brasil”. Naquele momento fui invadida pela magia, e a parte bruxa dentro de mim acordou para nunca mais voltar a dormir.

HARRY POTTER QUANDO O AMOR NASCEU2

Não lembro muito bem a ordem cronológica dos fatos, mas o SBT estava exibindo o comercial de Harry Potter e a Pedra Filosofal pela primeira vez em tv aberta, nessa mesma época em que me deparei com as duas páginas na revista. Foi uma coisa que complementou a outra. Até então as imagens que eu tinha dos personagens eram criações do meu imaginário, e ao ver os comerciais do filme eu acabara de assinar o contrato do caso de amor eterno por Harry Potter.

HARRY POTTER QUANDO O AMOR NASCEU1

Harry Potter e a Pedra Filosofal foi exibido pelo SBT em 5 de dezembro de 2004, exatamente quando eu tinha onze anos, a mesma idade de Harry, Rony e Hermione. Como uma pisciana que se preze, cheia de misticismo, isso foi um prato cheio para mim, cada detalhe me prendia mais a essa história <3.

HARRY POTTER QUANDO O AMOR NASCEU6

Sim, só tive contato com o mundo potteriano/potterhead quatro anos após ele ter chegado ao Brasil. Naquela época não tínhamos acesso a internet como hoje em dia. hahaha. Meu primeiro livro comprei anos mais tarde, também não tinha dinheiro, mas, antes de ter os livros para chamar de meus, consegui ler todos eles com empréstimos de amigas de uma amada amiga minha, com quem li, assisti, idealizei e dividi muitas emoções relacionadas ao universo HP, ou emprestados da biblioteca municipal da minha cidade.

HARRY POTTER QUANDO O AMOR NASCEU5

Escrever esse post foi muito emocionante para mim, me faz reviver cada sentimento, o brilho nos olhos, o palpitar do coração. Só quem compartilha desse amor por Harry Potter consegue compreender o que ter crescido junto a cada personagem significa. É muito lindo ver que o laço que liga milhares de pessoas ultrapassa gerações, que as crianças e adolescentes dos anos 90/2000/2010 e daí por diante compartilham e compartilharão um amor em comum. E sem mais delongas, agradeço a nossa rainha J.K. Rowling por ter nos dado a chance de sermos quem somos hoje <3.

E vocês, como conheceram Harry Potter? Comentem aí 😉 

Beijos :-*

Nox!